Bogotá, Colombia 09.08.2002. (AP Photo/John Moore)

Bogotá, Colombia 09.08.2002. (AP Photo/John Moore)


PROPOSTA REALISTA PARA VOLTAR AO DIÁLOGO

Onze dias antes das eleições presidenciais de 26 de maio, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia Exército do Povo (FARC-EP), em comunicado público, manifestaram que: "qualquer que fosse o novo presidente eleito, estavam dispostas a reiniciar os diálogos, abruptamente rompidos por e sob a responsabilidade direta do Dr. Pastrana".

As condições exigidas por esta força beligerante são mínimas, mas fundamentais:

1. Desmilitarizar os estados de Caquetá e Putumayo;

2. Retomar a Agenda pela Mudança rumo Nova Colômbia que se discutia com Pastrana;

3. Retirar os epítetos de "terroristas" e "narco-terroristas" com os quais representantes do  governo pretendem desqualificar os lutadores sociais;

4. Tomar sérias medidas contra os que estejam envolvidos em qualquer nível no projeto paramilitar oficial.

A proposta tirou do banheiro os então candidatos, o generalato, representantes do clero, os grêmios econômicos, analistas políticos, representantes dos partidos e comunicadores sociais. Mas o que foi o que provocou sua colérica reação?

Ao que parece lhes aborrece sobremaneira que as FARC-EP defendam que enquanto o governo continuar com sua política de dialogar sob fogo, elas requeira de suficientes garantias para a preservação da segurança de seus comandantes, embaixadores, personalidades e oferecer essa mesma segurança aos representantes do governo encarregados de levar adiante as conversações e que obrigatoriamente devem se deslocar para o local de encontro.

Acham que o pedido de desmilitarização dos dois estados é desproporcionado, inaceitável. Recorrem aos mesmos argumentos quando essa solicitação foi feita pela primeira vez no governo Samper para desocupar o município de Uribe, no estado do Meta e em seguida quando a recente desocupação de San Vicente, Uribe, Macarena, Vista Hermosa e Mesetas.

Têm obsessão e espanto com a idéia de que as FARC-EP queiram "balcanizar" a Colômbia, implantando a imaginária "República do Sul", com a pernoitada tese de Repúblicas Independentes, já utilizada para a agressão contra Marquetalia, em 1964.

Não puderam digerir que o extermínio ou golpe mortal contra as FARC em Caguán, que tanto ilusão causou nos guerreiristas, foi uma vã quimera e que, há quase quatro meses de sua ofensiva militar em grande escala, esta representa um rotundo fracasso. A extensão da guerra a todo o território nacional, incluindo os centros urbanos, situação que é cada vez mais uma opção real e que em meio confrontação armada, desenha um novo mapa da realidade política colombiana.



Los Posos, Caquetá. Photo Jason P.Howe, 2002.

Los Posos, Caquetá. Photo Jason P.Howe, 2002.


Para deter a guerra é preciso dialogar e a transitória desmilitarização abriria as comportas para o entendimento sem colocar em risco a unidade territorial que tanto dizem que lhes preocupa.

Quiseram ver as FARC dialogando por lá... pelos confins do mundo ou talvez em calorosas tendas em um oásis do deserto africano ou no frio nórdico, mas não aqui na Colômbia, sob o manto da selva tropical que as viu nascer e as protege. Esquecem que sua exigência está respaldada por realizações inquestionáveis de seu acúmulo político e militar. Falta grandeza para ver que o problema mais sentido na Colômbia é Guerra ou Paz. A condição da desmilitarização é mínima diante do desafio que se enfrenta.

Tampouco é com ironias de mau gosto ou epítetos copiados de seus mentores internacionais que alguns funcionários do Estado e do governo poderão desqualificar o que as FARC têm ganhado em seus 38 anos de trabalho e como parte do povo. "Somos uma organização político-militar e como tal exigimos ser tratados. Não é pedir muito".

A agenda para a Mudança pela Nova Colômbia foi um dos grandes ganhos do truncado processo e merece ser retomada e aprofundada. Existem nela elementos valiosos para a reconciliação na busca da Paz com Justiça Social.

No que se refere s medidas contra o paramilitarismo oficial, a Constituição e a lei dão os elementos para meter na cadeia os seus promotores, participantes, financiadores, propagandistas e colaboradores.

O presidente Pastrana, a Procuradoria e várias organizações nacionais e internacionais conhecem uma longa lista de integrantes das Forças Armadas, sindicatos da produção, partidos políticos, "respeitáveis" personalidades, mafiosos, fazendeiros e pecuaristas que selaram sua sorte com esta máquina de morte. Desentranhar seus tentáculos e castigar os culpados seria simples se existisse por parte do Estado colombiano a vontade política para faze-lo. De suas tumbas os massacrados acusam e esperam justiça.

Ao sair vitorioso da disputa eleitoral, o Dr. Álvaro Uribe Vélez "lança" uma nova proposta para reiniciar diálogos com os que ele chama de "violentos". Sobre ela logo voltaremos a falar. Por enquanto insistimos, sem arrogância, que a proposta das FARC Exército do Povo, é séria, viável e realista.

Texto preparativo por: elbarcino@laneta.apc.org  

Hosted by uCoz